PDV: saiba as principais funções de um sistema de frente de caixa

PDV: saiba as principais funções de um sistema de frente de caixa

O PDV ou sistema de frente de caixa é um recurso valioso para automatizar processos de vendas em varejos. É utilizado por PMEs e grandes negócios pois traz funcionalidades que simplificam e melhoram o controle financeiro.

Com um PDV, sua empresa vai notar que vários indicadores de desempenho vão decolar, como a produtividade e a satisfação do cliente.

No entanto, no aspecto interno do seu negócio, o PDV também tem muito a agregar: a integração ao estoque e à contabilidade dão a você total controle sobre sua operação.

Neste post, vamos explorar o que é um PDV, suas principais funções e as vantagens de investir nessa tecnologia. Além disso, destacaremos como a Magistech Sistema oferece um sistema PDV integrado ao sistema de gestão, proporcionando uma solução completa para empresas.  Confira tudo sobre o assunto!

O que é um PDV?

O PDV (ou sistema de frente de caixa) é a ferramenta que registra as vendas e emite notas e cupons fiscais. Trata-se de um software que auxilia a empresa na hora que o cliente quer realizar uma compra.

Por isso, além de auxiliar no registro das transações, o sistema de frente de caixa (PDV) também permite:

  • Identificar o método de pagamento;
  • Registrar quantidade, preço e descontos;
  • Integração com um TEF (sistema de máquina de cartão);
  • Integração com áreas de finanças, estoque e contabilidade.

Ou seja, o PDV é realmente muito mais do que uma ferramenta que auxilia seu vendedor a fechar uma compra.

Trata-se de uma tecnologia potencializadora, que processa as compras dos clientes de forma que as informações de cada transação sejam integradas ao estoque e ao financeiro.

Assim, você automatiza vários processos e facilita a gestão integrada do negócio, de forma a ter sempre informações atualizadas fluindo de um setor para o outro.

 

Emissor de NF-e

 

As principais funcionalidades oferecidas pelo PDV

Você já compreendeu que um sistema PDV oferece muito mais do que maior agilidade no processo de vendas. Dependendo da solução que você investir, pode aproveitar diferentes recursos e uma ampla gama de funcionalidades.

Com o PDV, sua gestão financeira, de estoque e mesmo fiscal se completa!

Hoje, manter as operações do seu varejo de pé apenas por meio de anotações ou planilhas descentralizadas é complicado.

O que o PDV oferece é, justamente a integração dos setores e automatização dos processos.

Mas, e na prática, o que você ganha ao implementar um PDV? Te explicamos as principais funcionalidades dos sistemas líderes do mercado, confira:

Controle Financeiro

E se você pudesse controlar, em tempo real, todas as entradas e saídas do seu negócio, bem como conciliar as formas de pagamento (dinheiro, cartão, pagamentos digitais, etc) e acompanhar o desenvolvimento do fluxo de caixa?

Falamos de um poder que, até então, você como gestor do negócio não possuía.

Ou seja, a possibilidade de realizar um melhor controle financeiro. Com várias funcionalidades para diferentes setores, você pode integrar todos os dados, especialmente os financeiros.

No fim das contas, você recebe as informações que precisa para realizar o melhor fluxo de caixa, avaliar o desempenho das vendas, analisar sua política de precificação e muito mais!

Emissão de Nota Fiscal

Um dos grandes benefícios de utilizar um PDV é que você conta com todo auxílio da tecnologia para emitir notas e cupons fiscais.

Já pensou o quanto isso, sozinho, pode agilizar a rotina dos seus vendedores no frente de caixa, bem como facilitar o trabalho do setor financeiro e da sua contabilidade?

Manualmente, emitir notas fiscais — especialmente no varejo — pode ser um enorme ponto crítico do processo de vendas.

Porém, com um PDV, basta inserir os dados (ou selecionar a partir de um cadastro existente), definir um valor e pronto! Com poucos cliques, a nota ou cupom fiscal são emitidos e você pode enviá-las ao contador.

Gerenciamento de Estoque

Bastam poucos dias de operação para que qualquer empreendedor entenda a importância de uma boa gestão de estoque.

Com o PDV, você avança múltiplas casas nessa jornada, integrando dados de frente de caixa com os dados do seu estoque.

Assim, cada vez que uma venda é realizada e o vendedor dá baixa no sistema, o mesmo acontece no estoque.

Desse modo, assim que você ou seus funcionários puxarem as informações de estoque, estarão diante de dados atualizados.

Além disso, um bom PDV também trará algumas funcionalidades extras, como o recurso de emitir alertas quando um produto estiver próximo do fim.

Assim, ajuda você a programar seus gastos e a entender tudo sobre o seu giro de estoque.

Vantagens de investir em um PDV:

Eficiência Operacional: A automação das tarefas de registro de vendas e controle de estoque economiza tempo e reduz erros humanos.
Melhor Experiência do Cliente: Pagamentos rápidos e opções de pagamento variadas contribuem para uma experiência de compra mais suave.
Tomada de Decisão Informada: Os relatórios detalhados fornecidos por um sistema PDV ajudam os proprietários a entender o desempenho do negócio e tomar decisões estratégicas.
Segurança: Os sistemas PDV geralmente são mais seguros, protegendo os dados financeiros e os registros de vendas.
Integração com a Gestão: Ao investir em um sistema PDV integrado ao sistema de gestão, as informações fluem de maneira eficiente, garantindo a coesão e a precisão dos dados em toda a empresa.

Magistech Sistema: A solução completa para o seu negócio

A Magistech Sistema é uma empresa que oferece um sistema PDV integrado ao sistema de gestão. Isso significa que, além de contar com todas as funções essenciais de um PDV, você também terá acesso a um sistema de gestão abrangente que pode ajudar a administrar todas as áreas do seu negócio.

Investir em um sistema PDV integrado como o da Magistech Sistema pode ser a chave para melhorar a eficiência, o atendimento ao cliente e o desempenho financeiro do seu negócio. Não deixe de considerar essa opção se estiver buscando uma solução completa e moderna para a gestão do seu Ponto de Venda.

Decreto para isentar indústria que compra leite nacional já saiu do Mapa

Decreto para isentar indústria que compra leite nacional já saiu do Mapa

O decreto com mudanças no regime tributário para a indústria de leite já saiu do Ministério da Agricultura, segundo o ministro Carlos Fávaro.

“Conseguimos frear a importação de leite com políticas públicas e agora temos políticas para a recomposição da competitividade aos produtores. O decreto incentiva a indústria nacional. A indústria que comprar leite in natura do produtor nacional in natura e fazer o processamento terá incentivo fiscal para garantir um repasse de preço melhor ao produtor”, disse o ministro em coletiva de imprensa nos bastidores do Fórum de Bioinsumos no Agro, realizado na Federação das Indústrias de São Paulo (Fiesp) nesta segunda-feira (16).

O ministro não detalhou qual será o trâmite do decreto após o despacho pela pasta.

O decreto citado por Fávaro foi anunciado há duas semanas pela Agricultura e pelo Ministério do Desenvolvimento Agrário e Agricultura Familiar como uma medida para aumentar a competitividade e produtividade da cadeia do leite.

A medida tributária estudada pelo governo é uma adaptação no Programa Mais Leite Saudável, que permite às agroindústrias, laticínios e cooperativas de leite utilizarem créditos presumidos do PIS/Pasep e Cofins, para a compra do leite in natura utilizado como insumo de seus produtos lácteos, em até 50% do valor a que tem direito.

O valor desses créditos pode ser utilizado pela empresa para compensação de tributos federais, ou para ressarcimento em dinheiro.

O pedido do setor produtivo é que os laticínios que importarem os produtos lácteos passem automaticamente ao regime tributário regular, sem benefício fiscal, podendo compensar apenas 20% dos créditos e não 50% concedidos dentro do Mais Leite Saudável.

A medida faz parte de um pacote do governo de socorro aos produtores de leite, afetados pelos preços baixos do produto e pelo aumento nas importações.

Fávaro citou entre as ações governamentais a compra pública de leite em pó pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), direcionada aos programas de assistência social. “É uma crise sem precedentes, chegando ao limite que tirou completamente a competitividade dos produtores. Nos últimos meses, com as políticas públicas adotadas, a importação não foi maior que nos meses do ano passado”, apontou.

Fonte: Canal Rural

Empresas que usam máquina de cartão de crédito estão obrigadas a entregar a EFD-Reinf

Empresas que usam máquina de cartão de crédito estão obrigadas a entregar a EFD-Reinf

Desde o dia 21 de setembro, empresas que utilizam máquinas de cartão de crédito passaram por uma mudança significativa nas obrigações fiscais, isso porque a Declaração de Imposto de Renda Retido na Fonte (DIRF) será substituída pela Escrituração Fiscal Digital de Retenções e Outras Informações Fiscais (EFD-Reinf), uma plataforma integrada ao Sistema Público de Escrituração Digital (SPED) e quem utiliza essa forma de pagamento também deverá cumprir a obrigação.

Nesta transição, é essencial entender que as regras de obrigatoriedade na EFD-Reinf permanecerão as mesmas que eram aplicadas à DIRF. No entanto, a frequência de envio passará a ser mensal. Portanto, todas as empresas que utilizam esse método de pagamento precisam declarar as comissões sujeitas ao imposto na fonte, que são retidas pela administradora do cartão de crédito.

Um detalhe importante é que a série de eventos R-4000 foi oficialmente introduzida na EFD-Reinf a partir de 21 de setembro, responsável por informações típicas da DIRF, incluindo o Imposto sobre a Renda Retido na Fonte (IRRF), Programa de Integração Social (PIS) com o fundo do Programa de Formação do Patrimônio do Servidor Público (PIS-Pasep), Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social (Cofins) e a Contribuição Social sobre o Lucro Líquido (CSLL) . No entanto, antes de enviar essa série, as empresas precisam preencher o evento R-1000, que contém informações de identificação e enquadramento tributário.

O não cumprimento dessa obrigação pode resultar em penalidades, portanto, é essencial que os empreendedores verifiquem a conformidade de suas empresas e garantam que os eventos iniciais R-1000 estejam de acordo com os padrões estabelecidos pela Receita Federal.

 

ERP MAGIS TI

 

A obrigação de transmitir a EFD-Reinf se aplica a todas as empresas que realizavam a emissão da DIRF, incluindo pessoas físicas ou jurídicas que tenham pago ou creditado rendimentos com retenção do Imposto sobre a Renda Retido na Fonte durante o ano-calendário. A exceção são os Microempreendedores Individuais (MEIs).

Esta declaração se torna imprescindível porque as fornecedoras de máquinas de cartão de crédito cobram comissões e realizam a retenção do imposto de renda, tornando necessário que essas transações sejam declaradas. Empresas que contratam serviços de máquinas de cartão de crédito também estão obrigadas a declarar essas transações para permitir que a Receita Federal valide as informações.

A próxima implementação na EFD-Reinf que está gerando dúvidas é a entrada dos tributos federais retidos na fonte, conhecida como série de eventos R-4000. Essas informações incluem IRRF, PIS-Pasep, Cofins e CSLL, que normalmente eram declaradas na DIRF.

Além disso, a transmissão da EFD-Reinf passou por mudanças em seu portal e-CAC desde de 21 de setembro. Nos primeiros seis meses, a transmissão poderá ser instantânea, mas posteriormente não será mais. Portanto, é aconselhável não deixar a entrega para a última hora para evitar problemas no sistema.

Haverá também alterações nos dados cadastrais da EFD-Reinf, especificamente nos códigos de natureza do rendimento. Isso afetará principalmente os softwares de gestão, que precisam ser atualizados para se adequarem às mudanças. Mas, usuários do ERP Magis não precisa se preocupar! O sistema já se encontra devidamente atualizado e parametrizado para as novas regras da EFD-Reinf. 

Assim como na DIRF, empresas que recebem pagamentos via máquina de cartão de crédito também estarão sujeitas à obrigatoriedade de entrega da EFD-Reinf, com a única exceção sendo os Microempreendedores Individuais (MEIs). Independentemente do porte da empresa ou do volume de transações, todas devem cumprir essa obrigação perante a Receita Federal.

É importante destacar que não cumprir a obrigação de entrega da EFD-Reinf ou entregá-la fora do prazo resultará em penalidades, incluindo uma multa de 2% ao mês-calendário, limitada a 20% do montante dos tributos informados na EFD-Reinf, com um valor mínimo de R$ 500,00.

Finalmente, empresas que preenchem a série R-4000 na EFD-Reinf também deverão entregar a Declaração do Imposto sobre a Renda Retido na Fonte (DIRF) em 2024 até as 23h59 do dia 28 de fevereiro, através do Programa Gerador da DIRF da Receita Federal, para as declarações relativas ao ano-calendário de 2023. Fatos especiais ocorridos em 2023, como baixa, incorporação, fusão e cisão, utilizarão o PGD DIRF 2023, e a DIRF será dispensada a partir de 1º de janeiro de 2024.

Fonte: Portal Contábeis

Mudança na Lei: MEI agora é obrigado a emitir Nota Fiscal de Serviços eletrônica (NFS-e)

Mudança na Lei: MEI agora é obrigado a emitir Nota Fiscal de Serviços eletrônica (NFS-e)

Desde o dia 1º de setembro, todo Microempreendedor Individual (MEI) passou a ser obrigado a emitir Nota Fiscal de Serviços eletrônica (NFS-e) no padrão nacional. A mudança parte da decisão nº 169/2022 de 3 de abril de 2023 do Comitê Gestor do Simples Nacional (CGSN), da Receita Federal. Essa mudança visa aprimorar o controle tributário e fiscal, trazendo mais transparência para as operações comerciais realizadas por essa categoria.

Por que essa mudança é importante?

A emissão da NFS-e é fundamental para garantir a regularidade fiscal do seu negócio. Ela comprova a prestação de serviços, facilita o pagamento de tributos e pode ser exigida em diversas situações, como em contratos com clientes, concorrências públicas e até mesmo na abertura de contas bancárias empresariais.

 

Emissor de NF-e

 

Facilitando a emissão da NFS-e com um Sistema de Gestão

Entendemos que, para muitos MEIs, essa nova obrigatoriedade pode parecer um desafio. No entanto, a tecnologia está aqui para simplificar o seu dia a dia. A utilização de um sistema de gestão pode ser a solução que você precisa para cumprir essa nova obrigação de forma eficiente.

Automatização da gestão: Com um sistema de gestão, você pode automatizar o processo de emissão de NFS-e, economizando tempo e reduzindo erros manuais. Isso permite que você se concentre mais no crescimento do seu negócio.

Controle de estoque aprimorado: Além de facilitar a emissão de NFS-e, um bom sistema de gestão também ajuda a controlar o estoque. Isso é essencial para evitar a falta de produtos ou desperdício de recursos.

Gestão financeira eficaz: Um sistema de gestão adequado oferece recursos para controlar suas finanças, acompanhar receitas e despesas, emitir relatórios financeiros e até mesmo facilitar o pagamento de impostos, incluindo os relacionados à NFS-e.

Conheça o Sistema ERP Magis

Se você está em busca de uma solução eficaz para cumprir com essa nova obrigatoriedade e melhorar a gestão do seu MEI, o Sistema ERP Magis pode ser a resposta que você procura. Com uma ferramenta capaz de acompanhar todo o processo gerencial da sua empresa de forma prática e eficiente, o Magis Ti oferece:

  • Emissão simplificada de NFS-e: Esqueça a papelada e os formulários complicados. Com o Magis, a emissão de NFS-e se torna simples e rápida.
  • Controle de estoque integrado: Mantenha seu estoque organizado e saiba exatamente quando repor seus produtos.
  • Gestão financeira descomplicada: Acompanhe suas finanças com facilidade, faça projeções e mantenha-se em dia com seus impostos.

A mudança na lei que torna a NFS-e obrigatória para MEIs pode ser desafiadora, mas com o apoio de um sistema de gestão como o Magis, você estará preparado para enfrentar essa nova realidade de forma eficaz e simplificada. Não deixe que a burocracia atrapalhe o crescimento do seu negócio. Faça a escolha certa e mantenha sua empresa em conformidade com a lei. Clique aqui e Conheça o ERP Magis e leve a eficiência para a gestão do seu MEI.

 

Parceria

Você sabe a importância do processo de implantação de um sistema ERP para uma gestão mais otimizada?

Você sabe a importância do processo de implantação de um sistema ERP para uma gestão mais otimizada?

A tecnologia tem sido grande aliada das empresas, auxiliando na otimização de processos. Neste contexto, saber como fazer uma implantação de ERP correta tornou-se um passo fundamental para garantir uma gestão eficiente no negócio.

sistema de gestão pode contribuir para um salto no dia a dia administrativo ao automatizar tarefas, padronizar operações e melhorar o fluxo de informações.

De acordo com a Microsoft, 93% das pequenas e médias empresas afirmaram sentir que as transformações digitais aceleraram em seus negócios recentemente.

A agilidade das mudanças é uma realidade do mercado, que pode vir acompanhada por evoluções importantes, como ERPs mais completos, mas também pode trazer desafios de adaptação para as empresas.

Para aproveitar todos os benefícios dos sistemas de gestão, acompanhe este artigo, que traz os passos necessários para uma implantação de sucesso.

 

ERP MAGIS TI

 

5 pontos importantes para uma implantação de ERP de sucesso

A implantação do sistema ERP (Entreprise Resource Planning) é um movimento muito importante para o negócio e, por trazer novas perspectivas, é fundamental analisar e planejar todos os detalhes que antecedem um investimento desse nível.

Conseguir identificar se o ERP é a solução que, de fato, se encaixa nas demandas que seu negócio enfrenta no momento e se a maioria das suas expectativas serão atendidas pela ferramenta, é primordial para um uso eficiente da tecnologia.

A seguir, falaremos sobre alguns meios de facilitar essa transição.

1. Bom planejamento

Existe um método capaz de executar planejamentos conhecido como SMART (Specific, Measurable, Attainable, Relevant and Time based), que pode ser traduzido como específico, mensurável, alcançável, realista e baseado em prazos.

Essa abordagem pode ajudar a classificar as metas que se deseja atingir com a implantação de ERP, servindo como base para um planejamento mais assertivo.

Para isso, são consideradas as formas que esses resultados serão atingidos e mensurados, se farão uma diferença realmente relevante e se o tempo para adequação será suficiente.

2. Infraestrutura preparada

Não é apenas fundamental listar as seções da sua empresa que precisam ser otimizadas e, consequentemente, as funcionalidades que o sistema precisa oferecer. É importante que esse sistema se adapte aos seus processos.

Vale lembrar que os modelos de hospedagem da solução têm impacto direto sobre a atuação do software ERP.

Por isso, avaliar se a infraestrutura comporta o sistema de gestão empresarial é crucial. Aqui, a escalabilidade é um ponto a se prestar atenção, o que também se aplica a opções de atualizações e personalizações.

Afinal, as necessidades e até mesmo os objetivos da sua empresa podem mudar com o tempo, e não é interessante estar preso indefinidamente com um escopo fixo.

3. Migração de dados

Depois de fazer o planejamento inicial e ponderar qual formato de hospedagem é o melhor para o seu negócio, é hora de colocar em prática a migração de dados de forma gradual.

Uma transição amena e em ritmo suave é indicada devido à grande mudança que a adoção do ERP significa, principalmente se for a primeira vez que a empresa está lidando com uma solução desse nível.

Busque entender quais dados são essenciais para o bom andamento de todos os setores do negócio e cuide para que estejam seguros.

Contar com um ERP que lide com dados incorretos e quebrados é perda de tempo e dinheiro, pois o software perde sua função – que é exatamente organizar esse banco de dados.

Uma falha nessa etapa pode resultar em grandes prejuízos para toda sua operação, já que é impraticável fazer a correção de dados imprecisos depois da implantação.

4. Gestão de equipe e mudança de abordagem

Não é novidade que o processo de implantação de ERP termine, de fato, com a instalação do sistema escolhido.

Depois de concluir essa fase, é de extrema importância realizar um treinamento direcionado à sua equipe para garantir que todos saibam utilizar a tecnologia. Com isso, é possível deixar a adaptação muito mais fluida, sem prejudicar o andamento dos processos.

Essa capacitação, por sinal, deve ser feita antes da finalização da implantação e antes que o sistema comece a rodar, uma vez que o investimento é muito valioso e precisa ser feito de maneira cuidadosa para toda a sua empresa.

 

Parceria

 

5. Conte com um suporte constante

A implantação de ERP é o primeiro passo para utilizar a tecnologia, mas o sistema precisa de um acompanhamento constante para evitar problemas.

Isso envolve revisões periódicas para garantir que o funcionamento está correto, bem como atualizações frequentes para acompanhar as mudanças do mercado.

Com os avanços cada vez mais rápidos no desenvolvimento tecnológico, essas atualizações costumam ser constantes e, por isso, contar com um suporte técnico é fundamental.

O time especializado também pode contribuir para a manutenção do sistema de maneira mais eficaz, identificando possíveis falhas com agilidade e evitando problemas que possam prejudicar a gestão do seu negócio de alguma forma.

Quais problemas são eliminados com um sistema ERP?

A função do ERP é facilitar o gerenciamento de informações de diferentes setores, centralizar dados e, a partir disso, contribuir para uma gestão geral mais eficiente.

Na prática, o sistema ajuda a reduzir ou eliminar problemas como:

  • retrabalhos;
  • tarefas repetitivas;
  • processos manuais;
  • erros nos processos diários;
  • tempo na execução de tarefas;
  • custos operacionais desnecessários;
  • tempo de resposta no atendimento a fornecedores e clientes.

 

Quais ganhos sua empresa terá após a implantação do ERP?

Implantar um sistema de ERP na empresa significa ter uma base centralizada de dados, automatizar tarefas e acompanhar operações com mais eficiência, além de ser uma oportunidade para integrar diversos setores do negócio.

A tecnologia pode trazer muitos ganhos para a empresa de maneira geral, contribuindo diretamente para o seu sucesso no mercado. Entre os benefícios, podemos destacar:

  • confiabilidade dos dados;
  • tomada de decisões mais assertivas;
  • organização do fluxo de informações;
  • aumento na produtividade dos colaboradores;
  • acesso a relatórios mais completos e eficientes.

ERP é com a Magistech

Se destacar no mercado é um desafio e tanto. De acordo com o estudo encomendado pela Microsoft, destacado logo no início deste conteúdo, 40% das empresas entrevistadas afirmaram ainda ter que investir em tecnologia.

Para manter a vantagem competitiva, contar com uma solução que otimiza a rotina, fortalece o trabalho do gestor e oferece novas perspectivas aos colaboradores é um ponto de virada para a sua empresa.

Esse é o caso do sistema de gestão desenvolvido pela Magistech, o ERP Magis, um software totalmente integrado e pronto para otimizar o processo de gestão de indústrias, distribuidoras, cooperativas, empresas de atacado e varejo, transportadoras e laticínios.

Nossas soluções estão preparadas para crescer junto com o seu negócio, se adaptando a diferentes fases e atendendo os mais diferentes tamanhos de empresas.

Da gestão financeira a administração de compras e ao business intelligence com indicadores de desempenho, o sistema integra as funcionalidades essenciais para processos mais eficientes.

Conheça o sistema de gestão da Magistech e descubra como ele contribui para a otimização do seu negócio.

Saiba como o ERP faz a transformação digital nas empresas

Saiba como o ERP faz a transformação digital nas empresas

Um ERP tem se mostrado um aliado para acelerar a jornada de transformação digital das empresas. Os softwares mais modernos, além de contribuírem com a digitalização do negócio, são capazes de transformar a gestão das organizações.

Da mesma forma que as empresas devem aprimorar a gestão operacional, a transformação digital nas empresas implica também em mudança cultural, inovação dos modelos de negócios e adaptação de processos para atender aos novos desafios do mundo digital.

Então, implantar um ERP e adotar recursos tecnológicos avançados são essenciais para a relevância das empresas em um mercado competitivo, com consumidores mais exigentes e um grande volume de dados e mudanças constantes.

Recapitulando: o que é o ERP e quais são os seus benefícios?

O ERP (Enterprise Resource Planning), em português, Planejamento de Recursos Empresariais, é conhecido como um sistema integrado de gestão empresarial. A ferramenta conecta dados, recursos e processos dos departamentos de uma empresa, tornando possível gerenciar finanças, estoque, compras, vendas, produção e muito mais, em um único ambiente.

Seja um negócio varejista ou atacadista, uma indústria, empresas do agronegócio ou prestadores de serviços, o ERP simplifica o fluxo de trabalho e fornece aos gestores e demais profissionais uma visão abrangente da sua organização.

Conheça a seguir os principais benefícios de um sistema ERP para o sucesso da sua empresa:

  • Centraliza os dados em uma única plataforma;
  • Elimina o uso de inúmeras planilhas e sistemas;
  • Potencializa a colaboração entre equipes, agilizando o acesso e a troca de informações;
  • Automatiza as tarefas manuais, sendo possível executar mais tarefas, em menos tempo e com qualidade;
  • Elimina ou reduz erros e evita o retrabalho;
  • Permite que as áreas conversem entre si com a integração dos processos,  otimizando o operacional;
  • Aumenta a produtividade e a eficiência operacional;
  • Apoia a tomada de decisões com relatórios e a visão ampla dos recursos e as rotinas das áreas;
  • Libera tempo para atividades estratégicas e de maior valor agregado.

 

ERP MAGIS TI

Como o ERP se encaixa na transformação digital?

O ERP já pode ser considerado uma solução chave para a transformação digital, apenas por facilitar a digitalização no nível operacional, ou seja, por converter as informações do formato analógico para o digital e conectar a tecnologia aos processos existentes.

Entretanto, a transformação digital nas empresas exige mais, começando por uma mudança na cultura organizacional. Apesar de 63% dos entrevistados de um estudo da Red Hat declararem como bem sucedida a modernização de suas culturas no local de trabalho em 2021, “a aceitação cultural da transformação digital é o maior obstáculo enfrentado pela maioria das organizações”, aponta a pesquisa, publicada pela Harvard Business Review, em 2022.

A mudança cultural vem ao encontro da compreensão de uma nova sociedade. O Boletim de Tendência do Sebrae (2021) fala em “Sociedade 5.0”. Este conceito está centrado no ser humano e aponta as tecnologias como ferramentas a serviço de todos. Logo, as empresas precisam ir além da digitalização para se manterem competitivas e se inserirem na dinâmica da indústria 5.0, que valoriza qualidade de vida, inclusão e sustentabilidade.

O caminho é a integração digital para a excelência operacional e para descobrir novas ideias de negócio, para que gestores e líderes possam desenvolver o pensamento criativo, da mesma forma que buscam melhorar os processos operacionais.

Neste contexto, os ERPs  são capazes de contribuir, tanto com a gestão dos aspectos operacionais quanto gerenciais e estratégicos, para agregar valor aos negócios. Tudo isso com agilidade para acompanhar as rápidas mudanças do mercado.

Quais são os benefícios do uso de um ERP na jornada de transformação digital?

A experiência do cliente é determinante para o sucesso das organizações. Por isso, as empresas precisam ter um back-office organizado com processos consistentes para impactar positivamente a jornada de compra.

Dessa forma, o ERP tem um papel estratégico na transformação digital das empresas. É uma solução abrangente para a  produtividade e eficiência operacional, possibilitando aos gestores e suas equipes focar em criatividade, estratégia e decisões essenciais para alavancar o crescimento da empresa.

Inteligência de negócio

Um ERP com aplicação de Business Intelligence (BI) é a solução ideal para obter insights valiosos para fundamentar as decisões estratégicas. Por meio de relatórios e análises gerados com BI, é possível identificar tendências e oportunidades de melhorias, mapear sazonalidades, mitigar riscos e fazer projeções de resultado para apoiar a tomada de decisão.

Em resumo, confira a seguir os principais benefícios proporcionados pelo uso do ERP na jornada de transformação digital:

  • Revisitar os processos continuamente para adequá-los às novas demandas de mercado;
  • Aprimorar e facilitar os fluxos de trabalho, conferindo maior eficiência operacional;
  • Obter inteligência de dados para inovar e desenhar estratégias assertivas;
  • Inovar e resolver problemas para uma experiência focada no cliente;
  • Diferenciar e criar valor para os consumidores;
  • Agilizar e obter precisão para tomar decisões seguras;
  • Reduzir custos e causar menos danos ao meio ambiente.

Como o ERP Magistech impulsiona a transformação digital?

Um sistema de gestão integrado, flexívelfocado na geração de dados inteligentes. Este é o ERP Magis, que confere aos clientes mais eficiência, processos otimizados e gestão assertiva dos seus negócios.

O ERP já conta com soluções avançadas, como o Magis BI:

  • O BI, um recurso nativo do ERP Magistech, trata um grande volume de dados com segurança e gera relatórios gerenciais para apoiar a tomada de decisão.

Como vimos, a transformação digital é um caminho essencial para as empresas alcançarem o sucesso no mundo empresarial. E não estamos falando em algo futurístico. Acelerado pela pandemia, o ambiente digital já é parte da rotina das pessoas: trabalho remoto ou híbrido, crescimento do e-commerce, serviços públicos digitalizados e bancos virtuais são alguns exemplos.

Nesse contexto, o ERP é um aliado para a jornada de transformação digital nas empresas para organizar seu back-office, otimizar recursos e processos e nortear a tomada de decisões. Com isso, as empresas podem impulsionar seu crescimento, melhorar a eficiência operacional e obter uma vantagem competitiva.

Experimente o ERP Magis e fortaleça a estratégia de transformação digital da sua empresa.